07/11/2016 - A Voz do Brasil

Michel Temer assina autorização para rádios mudarem sinal de AM para FM. Cerca de 6 milhões de pessoas participaram do Enem 2016. Denúncias de intolerância religiosa aumentaram 4000% em cinco anos. Governo encontra irregularidades em 1,1 milhão de benefícios do Bolsa Família. Tudo isso você ouviu nesta segunda-feira em A Voz do Brasil!

07/11/2016 - A Voz do Brasil

Michel Temer assina autorização para rádios mudarem sinal de AM para FM. Cerca de 6 milhões de pessoas participaram do Enem 2016. Denúncias de intolerância religiosa aumentaram 4000% em cinco anos. Governo encontra irregularidades em 1,1 milhão de benefícios do Bolsa Família. Tudo isso você ouviu nesta segunda-feira em A Voz do Brasil!

07-11-2016-voz-do-brasil.mp3

Duração:

Publicado em 09/12/2016 15:45

A VOZ DO BRASIL – 07/11/2016

Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite.

Apresentador Airton Medeiros: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

Gláucia: Segunda-feira, 7 de novembro de 2016.

Airton: E vamos ao destaque do dia: governo vai retomar 1.600 obras paradas e gerar 45 mil empregos.

Presidente Michel Temer: São creches, pré-escolas, Unidades Básicas de Saúde e até aeroportos, e isto vai alcançar 1.071 municípios, localizados nos 26 estados e no Distrito Federal.

Gláucia: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje...

Airton: Pente-fino para saber se Bolsa-Família é pago a quem precisa. Mais de um milhão de benefícios foram cancelados ou bloqueados.

Gláucia: E tem recado para os homens: o alerta é para que você vá a um posto de saúde e faça um check-up para prevenir doenças.

Airton: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gláucia Gomes e Airton Medeiros.

Gláucia: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta clicar www.voz.gov.br.

Airton: Começar uma obra pública e não terminar, além de ser muitas vezes desperdício de dinheiro, é também um incômodo para a população que precisa dos serviços do estado.

Gláucia: Pois o governo federal vai fazer um esforço concentrado para retomar obras inacabadas em todos os estados do país.

Airton: A ideia é concluir tudo até o fim de 2018, e o foco são obras de pequeno e médio porte, de R$ 500 mil a R$ 10 milhões.

Gláucia: Hoje foi feita uma reunião para acertar o andamento dos trabalhos, com a participação do presidente Michel Temer.

Repórter Luana Karen: A maior parte das 1.600 obras que vão ser retomadas é de construção de creches e pré-escolas, seguida de obras de saneamento e urbanização de favelas. Os projetos estavam parados por problemas como falta de repasses de verba ou abandono da empresa contratada para fazer o serviço. Ao todo, o governo federal vai destinar mais de R$ 2 bilhões para a conclusão dos empreendimentos. O presidente Michel Temer afirmou que boa parte das obras deve ser retomada já nos próximos dias e que a medida vai ajudar a gerar empregos.

Presidente Michel Temer: Isto pode gerar, numa estimativa muito rápida, não é, até 45 mil empregos. Portanto, esta tese de prosseguir nas obras que estão paralisadas tem em vista exata e precisamente aquilo que o nosso governo quer, ou seja, gerar empregos, não é?

Repórter Luana Karen: Segundo o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Diogo Oliveira, será depositado um adiantamento de 5% para incentivar a retomada dos trabalhos. Com isso, o ministro espera ter iniciado a maioria dos projetos já no primeiro semestre do ano que vem.

Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão - Diogo Oliveira: A possibilidade de que pelo menos 1.100 obras sejam retomadas até o dia 30 de junho de 2017, ou seja, 70% do total.

Repórter Luana Karen: Uma novidade é que o cidadão vai poder acompanhar de perto a execução dessas obras pela internet. Na próxima semana, vai estar disponível o aplicativo “Desenvolve Brasil”. Por meio dele, qualquer pessoa poderá fiscalizar os projetos, como explicou o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Ministro-Chefe da Casa Civil - Eliseu Padilha: Com o aplicativo nas versões Android e iOS nós poderemos receber comentários, pontuação, fiscalização direta do cidadão. É um passo muito importante que o governo dá na direção da implantação do governo virtual.

Repórter Luana Karen: As empresas devem concluir as obras até o fim de 2008. Reportagem, Luana Karen.

Airton: E você quer saber onde estão todas essas obras? É só acessar a página do Planejamento na internet: planejamento.gov.br.

Gláucia: Mais de 1,1 milhão de benefícios do Bolsa-Família foram cancelados ou bloqueados por causa de irregularidades.

Airton: No maior cruzamento de dados da história do programa, foi constatado que a renda dessas famílias era maior do que a exigida para ter acesso ao benefício.

Repórter Nei Pereira: O objetivo do pente-fino é combater fraudes e identificar as famílias que têm renda maior do que a declarada no Cadastro Único para programas sociais do governo federal. Foram encontradas inconsistências em mais de 1,1 milhão de benefícios. Quatrocentos e sessenta e nove mil foram cancelados porque a renda dessa famílias é superior a R$ 440,00 por pessoa e outros 654 mil foram bloqueados. O secretário nacional de Renda e Cidadania do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, Tiago Falcão, disse que o pente-fino será uma rotina a partir de agora.

Secretário Nacional de Renda e Cidadania do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário - Tiago Falcão: O que nós queremos agora é transformar esses batimentos num processo rotineiro para poder identificar de maneira mais rápida possíveis inconsistências dentro do programa e também disciplinar o uso do Cadastro Único para que as melhorias que nós estamos fazendo no Bolsa-Família tenham um reflexo em todos os programas que utilizam o Cadastro Único.

Repórter Nei Pereira: Para chegar a esse resultado, o governo fez um cruzamento de informações dos beneficiários do Bolsa-Família em seis bases de dados, como INSS e Sistema de Controle de Óbitos. O ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, destacou que a iniciativa é para que o benefício seja destinado a quem realmente necessita.

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Se todo mês nós fizermos esse pente-fino e fizermos inclusive naqueles que estão entrando para o programa, quer dizer, fazer previamente, eu tenho certeza que nós vamos separar o joio do trigo e garantir que aqueles que realmente precisam recebam e até recebam um valor maior, porque o recurso vai ficar no programa.

Repórter Nei Pereira: A economia anual com os bloqueios e cancelamentos é de quase R$ 2,5 bilhões, recurso que pode ser usado para a inclusão de novos beneficiários. Reportagem, Nei Pereira.

Gláucia: Quase seis mil perícias do INSS, que estavam agendadas até o dia 25 de novembro, vão ser remarcadas.

Airton: É que esses segurados estão recebendo auxílio-doença, mas estão há mais de dois anos sem realizar perícia.

Gláucia: Uma medida provisória editada pelo governo estabeleceu uma revisão desses benefícios, mas perdeu a validade na última sexta-feira.

Airton: Até o mês de outubro foram feitas mais de 20 mil perícias, que levaram ao cancelamento de 16 mil auxílios-doença irregulares.

Gláucia: Para retomar a revisão desses benefícios, o governo aguarda aprovação de um projeto de lei em regime de urgência pelo Congresso Nacional, como explica o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra.

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Como não foi votado, né, no período que tinha que ser votada a medida provisória, então realmente houve esse entendimento que um projeto de lei é melhor para facilitar inclusive a aprovação dentro do Congresso e evitar qualquer ação outra de inconstitucionalidade, enfim. O que há é um compromisso do presidente da Câmara de fazer essa votação o mais rápido possível e um compromisso também do Senado de fazer essa votação, do presidente do Senado fazer essa votação o mais rápido possível. Enquanto isso é suspensa a avaliação, a perícia. Eu acredito que isso vai durar aí uma, duas semanas, no máximo três semanas, depois volta a ser feito.

Airton: As revisões realizadas até agora geraram uma economia de R$ 220 milhões para os cofres públicos.

Gláucia: Quase seis milhões de candidatos fizeram no fim de semana as provas do Enem, o Exame Nacional do Ensino Médio.

Airton: Trinta por cento dos inscritos não compareceram, repetindo a média dos últimos anos.

Gláucia: E, para o Ministério da Educação, a realização do exame foi um sucesso absoluto.

Airton: É, o clima foi de tranquilidade em todo o país e as ocorrências registradas não atrapalharam a aplicação das provas.

Repórter Luana Karen: Os motivos que levaram mais de 5,8 milhões de pessoas a encarar um final de semana de provas são variados.

Entrevistado: Busca de oportunidades, testar conhecimentos.

Entrevistada: Eu quero para o Fies, para mim tentar um financiamento.

Entrevistada: Ingressar na minha faculdade de engenharia.

Repórter Luana Karen: O ministro da Educação, Mendonça Filho, fez uma avaliação positiva da aplicação do exame.

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Diante do quadro que nós acompanhamos nos últimos dias, nas últimas semanas, eu diria que foi um sucesso absoluto o Enem 2016.

Repórter Luana Karen: Por conta da ocupação de alguns locais de prova, 271.033 estudantes tiveram o exame adiado e vão fazer a prova nos dias 3 e 4 de dezembro. O ministro Mendonça Filho defendeu o adiamento.

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Foi a solução mais segura adotada pelo Ministério da Educação, porque qualquer outra alternativa poderia comprometer o próprio Enem para todos.

Repórter Luana Karen: Para combater tentativas de fraudar o Enem, a Polícia Federal fez duas operações neste domingo em oito estados. Pelo menos 11 pessoas foram presas. De acordo com o delegado da Polícia Federal, Franco Perazzoni, os criminosos usavam uma central de telefonia celular para repassar o gabarito das provas aos candidatos.

Delegado da Polícia Federal - Franco Perazzoni: Em parceria com o Inep, cruzou os banco de dados de certames anteriores, antecedentes, informações de pessoas que a gente sabe que historicamente vinham fraudando os certames, e a partir desses dados a gente conseguiu eleger um grupo de pessoas que poderia efetivamente estar fraudando.

Repórter Luana Karen: Nos dois dias de provas, cinco atendimentos médicos foram feitos e em 22 locais de prova houve falta de energia elétrica. Reportagem, Luana Karen.

Gláucia: Intolerância religiosa. O assunto foi discutido por milhões de estudantes que fizeram a prova de redação do Enem.

Airton: É, e os números da Secretaria Nacional dos Direitos Humanos comprovam a necessidade de se falar sobre isso.

Gláucia: As denúncias de intolerância religiosa aumentaram quase 4.000% em apenas cinco anos.

Repórter Carolina Becker: Desde 2011, quando o Disque 100 passou a registrar esse tipo de violência, o número passou de 15 denúncias para 556 no ano passado. Até junho deste ano, os estados que mais apresentaram denúncias de intolerância religiosa foram Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. As religiões de matriz africana candomblé e umbanda foram as que mais sofreram preconceito. Para a secretária especial de Direitos Humanos do governo federal, Flávia Piovesan, isso ainda reflete os preconceitos raciais e sociais do país.

Secretária Especial de Direitos Humanos do Governo Federal - Flávia Piovesan: Como marco da intolerância religiosa merece especial atenção e condenação o sofrimento das religiões de matriz africana. Nós temos que lutar pela laicidade do estado, temos que assegurar a igualdade entre as mais diversas religiões e temos que combater a intolerância.

Repórter Carolina Becker: O assunto ganhou visibilidade nesse fim de semana porque foi tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem. Os candidatos tiveram de fazer um texto sobre os caminhos para combater a intolerância religiosa no país. A estudante Isadora Matos disse que se surpreendeu positivamente com o tema.

Estudante - Isadora Matos: Eu não esperava, mas foi um tema que é muito presente ainda hoje em dia. Então, achei que foi um tema muito válido, muito bom.

Repórter Carolina Becker: Já a candidata Luiza Carneiro disse que o assunto é muito atual.

Estudante - Luiza Carneiro: Acho que a religião entrou, entrou bem e é um bom momento para a gente refletir sobre isso.

Repórter Carolina Becker: As denúncias feitas pelo Disque 100, que funciona 24 horas por dia, nos sete dias da semana, são analisadas pela Secretaria de Direitos Humanos e encaminhadas aos órgãos responsáveis. Reportagem, Carolina Becker.

Airton: 19hs12min, horário brasileiro de verão.

Gláucia: A campanha Novembro Azul está aí para lembrar aos homens que é preciso cuidar da saúde.

Airton: É, daqui a pouquinho a gente vai falar dos exames que você precisa fazer para prevenir doenças. Não saia daí.

Gláucia: É hora de saber como fazer para ter acesso a serviços importantes.

Airton: Saber como retirar documentos como o CPF, identidade, certidão de nascimento...

Gláucia: Vamos falar também como você pode ter acesso a programas do governo: Bolsa-Família, Minha Casa, Minha Vida, enfim. É o nosso novo quadro, que vão ao ar toda segunda-feira, aqui na Voz do Brasil.

Airton: Para começar, vamos saber como e quando você pode utilizar o seu FGTS. Vamos ouvir.

>> “Para você, cidadão”.

Repórter Mirna Ledo: O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, FGTS, é um importante mecanismo de segurança para o trabalhador brasileiro. Tem direito a ele todas as pessoas com contrato de trabalho formal regido pela Consolidação das Leis do Trabalho, a CLT. O trabalhador pode sacar o FGTS em caso de demissão sem justa causa, quando atingir idade igual ou superior a 70 anos, se houver diagnóstico de tumor maligno ou do vírus HIV no próprio trabalhador ou em seu dependente e para adquirir a casa própria ou pagar parte das prestações de financiamento habitacional, entre outras situações. Caso o trabalhador verifique que seus depósitos não estão sendo feitos, a sugestão é que converse com o seu empregador ou procure ajuda em uma Delegacia Regional do Trabalho. Mirna Ledo, para a Voz do Brasil.

>> “Você na Voz do Brasil”.

Gláucia: E você também pode participar da Voz do Brasil. É uma forma de mostrar como estão funcionando as ações do governo federal.

Airton: Você conta a sua dúvida. A resposta é com a gente.

Gláucia: Isso, é simples: grave uma mensagem contando a sua história e mande o nosso e-mail voz@ebc.com.br ou no WhatsApp 61998627345. Eu vou repetir: 61998627345.

Airton: A produção da Voz do Brasil vai procurar a resposta para você. Participe.

Gláucia: Você que está aí ligado no rádio, que importância esse meio de comunicação tem para a sua cidade ou comunidade?

Airton: É, mesmo em tempos de internet, em muitas regiões do país o rádio ainda é o disseminador de informações.

Gláucia: E a ideia é ampliar ainda mais esse acesso da população e com melhor qualidade.

Airton: Para isso, mais de 200 rádios AM de todo o país assinaram hoje contrato com o governo e vão passar a operar na faixa de FM.

Repórter Paola de Orte: As rádios AM levam informação aos brasileiros desde 1923, quando foi criada a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, hoje, Rádio MEC AM, mas com o crescimento das cidades e cada vez mais interferência na transmissão de sinal, as rádios AM perderam a qualidade e também ouvintes. A ideia da migração das AM para a frequência FM vem justamente para garantir a sobrevivência de mais de duas mil rádios AM que levam informação para todo o território nacional. O presidente da Abert, Paulo Tonet Camargo, garante que a migração vai gerar mais investimentos no setor.

Presidente da Abert - Paulo Tonet Camargo: O investimento da ordem de R$ 100 milhões em novos transmissores, sistemas irradiantes e outros equipamentos, além de mais de R$ 15 milhões em serviço, não terá sido em vão.

Repórter Paola de Orte: Representantes das cinco regiões brasileiras participaram da assinatura dos contratos. O ministro de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Gilberto Kassab, afirma que a medida vai beneficiar 25 milhões de ouvintes.

Ministro de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações - Gilberto Kassab: A população atendida hoje atinge aproximadamente 25 milhões de habitantes, que vão receber um serviço de radiodifusão com mais qualidade.

Repórter Paola de Orte: O presidente Michel Temer destacou o papel das rádios na liberdade de imprensa do Brasil. Segundo ele, esses veículos levam ao público as informações que vão fazer parte dos principais debates sobre políticas públicas nacionais.

Presidente Michel Temer: Liberdade de imprensa não é apenas uma palavra, é uma ação. Quando o governo leva adiante a ideia desta mudança de patamar de AM para FM é porque acreditamos e louvamos a liberdade de imprensa no nosso país. É para que aqueles que ouvem a rádio AM possam ouvir em melhores condições as rádios FMs.

Repórter Paola de Orte: O presidente também fez uma analogia entre o trabalho de rádio amadores que ajudam a salvar o navio de um naufrágio e o papel das rádios que transmitem informação.

Presidente Michel Temer: Este ato de hoje, em que os senhores vão se comunicar já não por rádio amador, mas por rádio FM, os senhores vão se comunicar com o povo todo, os senhores vão ajudar o Brasil a impedir que ele naufrague.

Repórter Paola de Orte: O Brasil é o primeiro país do mundo a fazer um mutirão de assinaturas com rádio difusores para a mudança da faixa de AM para FM. Reportagem, Paola de Orte.

Gláucia: E durante a cerimônia de migração das rádios, o presidente Michel Temer também falou sobre a importância da aprovação da proposta que coloca um teto para o aumento dos gastos públicos.

Airton: Para o presidente, é preciso pensar no Brasil de amanhã.

Presidente Michel Temer: Significa cortar na própria carne que comemos. Qual é o governante que não quer gastar o máximo possível? Porque gastar o máximo possível pode gerar popularidade. E restringir o gasto pode gerar, inicialmente, uma impopularidade. Mas nós não pensamos apenas no Brasil de hoje, nós pensamos no Brasil de amanhã, no Brasil onde os jovens que no futuro se aposentarão possam bater às portas do governo e receber as suas pensões, que os 12 milhões de desempregados possam ir às empresas, mobilizadas pela comunicação, e receber o seu emprego.

Gláucia: 19hs18min, no horário brasileiro de verão.

>> “Música”.

Airton: E a Voz do Brasil entra no clima do samba. Essa que você ouve é D. Ivone Lara, interpretando a música “Acreditar”, um clássico que ela mesmo compôs em parceria com Délcio Carvalho.

Gláucia: D. Ivone Lara, com 95 anos, é a grande homenageada da cerimônia que está acontecendo aqui em Brasília para a entrega da Ordem do Mérito Cultural a artistas e instituições brasileiras.

Airton: O presidente Michel Temer e ministros acabaram de participar do evento. Quem acompanhou e dá mais detalhes para a gente dessa homenagem é a repórter Carolina Becker. Boa noite, Carolina.

Repórter Carolina Becker (ao vivo): Olá. Boa noite, Airton. Boa noite, Gláucia. Essa edição da Ordem do Mérito Cultural celebra o centenário do samba. A cerimônia acabou de terminar. O presidente Michel Temer foi aplaudido de pé quando disse que o governo vai aumentar em mais de 40% o orçamento para a cultura para 2017. Ele disse ainda que o governo vai renovar por mais cinco anos os benefícios da Lei do Audiovisual. A cantora Fafá de Belém abriu a cerimônia com o Hino Nacional. Também teve a apresentação do Neguinho da Beija-Flor, que apresentou a música “A Voz do Morro”. A cerimônia continuou com as homenagens aos agraciados, como Carlinhos de Jesus, Ferreira Goulart, Clementina de Jesus, Nélson Sargento, Jorge Aragão e a D. Ivone Lara. A Ordem do Mérito Cultural é a principal condecoração pública da área da cultura. Nessa edição, ela concedeu comendas a 30 personalidades e instituições.

Gláucia: E agora o recado vai para os homens.

Airton: Muita gente já deve ter visto: prédios por todo o país estão iluminados com a cor azul. A ideia é lembrar aos homens: é tempo de cuidar da saúde.

Gláucia: A ação é uma das iniciativas da campanha Novembro Azul, que chama a atenção para a importância da prevenção a doenças, principalmente do câncer de próstata.

Repórter Beatriz Amiden: Fernando Nóbrega, administrador de empresas em Brasília, tem 52 anos e faz exercícios seis vezes por semana. No ano passado, ele estava com sobrepeso, com as taxas de colesterol alteradas e precisou fazer uma cirurgia no coração. Agora as visitas aos médicos são anuais para fazer check-up. A fama de que os homens não cuidam da saúde não se aplica mais ao Fernando.

Administrador de Empresas - Fernando Nóbrega: Todos os médicos que a gente necessita. Não só cardiologista, né? Urologista, questão do endocrinologista também. Todo um acompanhamento.

Repórter Beatriz Amiden: Uma das doenças mais frequentes nos homens é o câncer de próstata, que deve atingir mais de 61 pessoas em 2016, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer. Idas frequentes ao médico e hábitos saudáveis como os do Fernando ajudam muito a prevenir esse mal. O principal aliado para prevenir a doença ou diagnosticá-la precocemente é fazer os exames preventivos, como explica o urologista Rafael Rocha.

Urologista - Rafael Rocha: O recomendado é que todos os homens a partir dos 50 anos, se não tiverem história familiar positiva de câncer de próstata na família, iniciem os exames preventivos e o acompanhamento anual, e a partir dos 45 anos para aqueles que tiverem familiares com a doença.

Repórter Beatriz Amiden: O Ministério da Saúde tem adotado muitas ações para incentivar os homens a cuidar da saúde, já que 1/3 deles não têm o hábito de ir ao médico. Além disso, Francisco Moreira, coordenador da Saúde do Homem do Ministério da Saúde, explica que o SUS disponibiliza tratamento gratuito para diversas doenças, sejam elas crônicas ou mais complexas.

Coordenador da Saúde do Homem do Ministério da Saúde - Francisco Moreira: As Unidades Básicas de Saúde, elas já têm um protocolo de atendimento, né, para receber esse homem, e lá estão alguns exames que devem ser feitos, como o hemograma, a glicemia compilar, os testes rápidos de sífilis, hepatite, HIV.

Repórter Beatriz Amiden: Os homens que precisarem de atendimento médico ou que quiserem fazer um check-up podem se dirigir a qualquer Unidade Básica de Saúde. Reportagem, Beatriz Amiden.

Airton: E olha só: para saber a lista de exames necessários para o check-up dos homens basta acessar na internet brasil.gov.br.

Gláucia: A Receita Federal vai investigar sete contribuintes que fizeram a declaração de repatriação de recursos mantidos fora do país, mas não pagaram os valores devidos.

Airton: Nesse programa a Receita Federal regularizou a situação de contribuintes que pagaram os impostos e multas devidos.

Repórter João Pedro Neto: A Receita Federal informou que dos R$ 50,9 bilhões declarados no Programa de Repatriação de Recursos do governo federal, R$ 46,8 bilhões em multas de regularização e Imposto de Renda foram efetivamente pagos pelos contribuintes. Sete contribuintes respondem por cerca de 99% da diferença de R$ 4,153 bilhões entre o total declarado e efetivamente pago. O secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, explicou que o órgão começou hoje a realizar os procedimentos fiscais e fazer a cobrança dos valores devidos.

Secretário da Receita Federal - Jorge Rachid: A partir de hoje nós iniciamos um procedimento de fiscalização para verificar a veracidade dessas informações e cobrar desses contribuintes o Imposto de Renda devido já fora do programa, o Imposto de Renda normal, se for pessoa física 27,5%, mais a multa de ofício.

Repórter João Pedro Neto: O prazo para a regularização de ativos no exterior foi encerrado no último dia 31 de outubro. Os contribuintes que declararam e não fizeram o pagamento estão excluídos do programa, e para regularizar os recursos mantidos no exterior terão de fazer o recolhimento do Imposto de Renda e pagar multa de regularização que pode chegar a 150% sobre o valor do imposto devido, e também poderão responder na Justiça por falsa declaração. Reportagem, João Pedro Neto.

Gláucia: Essas foram as notícias do governo federal.

Airton: Uma realização da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

Gláucia: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

Airton: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa semana, boa noite.

Gláucia: Boa noite para você e até amanhã.