16/02/2016 - A Voz do Brasil

Mais uma frente de combate ao zika: União Europeia destina dez milhões de euros para pesquisas. E cientistas americanos e brasileiros já estão na Paraíba para estudar casos de microcefalia.

16/02/2016 - A Voz do Brasil

Mais uma frente de combate ao zika: União Europeia destina dez milhões de euros para pesquisas. E cientistas americanos e brasileiros já estão na Paraíba para estudar casos de microcefalia.

16-02-2016-voz-do-brasil.mp3

Duração:

Publicado em 09/12/2016 15:45

Apresentador Luciano Seixas: Sete da noite em Brasília, no horário brasileiro de verão.

Apresentadora Helen Bernardes: Mais uma frente de combate ao Zika. União Europeia destina € 10 milhões para pesquisas.

Luciano: E cientistas americanos e brasileiros já estão na Paraíba para estudar casos de microcefalia.

Helen: Saneamento. Mais de 150 milhões de brasileiros têm água encanada e o governo vai investir R$ 8 bilhões em obras neste ano.

Luciano: Com as exportações em alta, a movimentação foi recorde nos portos brasileiros em 2015.

Helen: Terça-feira, 16 de fevereiro de 2015.

LucianoLuciano: Está no ar a sua voz.

Helen: A nossa voz.

Luciano: A Voz do Brasil. Boa noite. Aqui no estúdio da Voz do Brasil, eu, Luciano Seixas, e Helen Bernardes.

Helen: Olá, boa noite. Acompanhe a Voz do Brasil, do Poder Executivo, ao vivo, em vídeo, pela internet.

Luciano: Acesse www.ebcservicos.com.br/avozdobrasil.

Helen: Nos últimos dias você ouviu aqui, na Voz do Brasil, todo o esforço do governo, estados e municípios, além da colaboração de toda a população, para acabar com o Aedes aegypti.

Luciano: Nesta semana, 55 mil militares estão nas ruas, vistoriando as casas e aplicando a larvicida.

Helen: É, e os brasileiros estão cuidando mais dos seus quintais e de olho em cada lugarzinho que possa acumular água e fazer o mosquito se reproduzir.

Luciano: E hoje essa batalha ganhou mais um aliado. A União Europeia vai destinar € 10 milhões para pesquisas científicas relacionadas ao Zika vírus.

Helen: A doença é transmitida pelo Aedes e está relacionada ao surto de microcefalia, ou seja, bebês que nascem com a cabeça menor que o normal.

Repórter Paola de Orte: € 10 milhões, o equivalente a mais de R$ 45 milhões. Esse é o montante que a União Europeia vai investir para financiar estudos sobre o Zika vírus conduzidos por pesquisadores do Brasil e do exterior. O anúncio foi feito após reunião do ministro da Saúde, Marcelo Castro, com o representante do bloco no país, João Gomes Cravinho, e 24 embaixadores de países que integram a União Europeia. Durante o encontro, Marcelo Castro apresentou as medidas adotadas pelo Brasil para o combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da Dengue, da febre Chikungunya e do Zika vírus, além de falar sobre as recomendações do governo brasileiro a todos que visitam o país, principalmente durante as Olimpíadas do Rio de Janeiro.

Ministro da Saúde - Marcelo Castro: O mosquito Aedes aegypti, ele tem um comportamento sazonal, que ele tem um pico de grande população no período do verão, e o mês de agosto é um dos meses que têm a menor população de Aedes aegypti. Como nós estamos fazendo uma ação muito efetiva no Brasil inteiro, nós esperamos que, esse ano, nós tenhamos uma população ainda menor do que os anos anteriores. Então, estamos dizendo, com bastante segurança, de que as Olimpíadas não terão nenhuma dificuldade para serem realizadas.

Repórter Paola de Orte: Segundo João Gomes Cravinho, o embaixador da União Europeia no Brasil, nenhum país está isento do Zika vírus.

Embaixador da União Europeia no Brasil - João Gomes Cravinho: Esse fenômeno é um fenômeno da globalização. Nenhum de nós, nenhum dos nossos países está isento hoje ou nos anos que vêm. E, portanto, temos um dever de solidariedade, que é um dever também de interesse próprio, em apoiar o Brasil nesta luta.

Repórter Paola de Orte: A escolha das pesquisas vai ser feita por edital. Ele deve abrir no dia 15 de março e vai financiar estudos científicos sobre o Zika vírus, por meio de consórcios entre instituições brasileiras e internacionais. Reportagem, Paola de Orte.

Luciano: E outra parceria internacional para pesquisar o Zika vírus começou hoje no Brasil.

Helen: Técnicos do Centro de Controle e Prevenção de Doenças Transmissíveis dos Estados Unidos, do Ministério da Saúde e do Governo da Paraíba vão estudar o risco de infecção pelo vírus.

Luciano: O trabalho vai durar 50 dias, com a coleta de informações de mulheres que tiveram bebês com ou sem microcefalia na Paraíba. Oitocentos pacientes devem ser avaliados.

Helen: A Paraíba é o segundo estado com o maior número de casos suspeitos de microcefalia no país.

Luciano: Outra preocupação do governo são as famílias de baixa renda que tenham casos de microcefalia.

Helen: Elas têm direito a receber um benefício do governo para ajudar no tratamento do bebê. É o Benefício de Prestação Continuada, o BPC, que pode ser solicitado ao INSS.

Repórter João Pedro Neto: O plano de ação do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome de enfrentamento ao mosquito Aedes aegypti e à microcefalia tem o objetivo de coordenar os esforços da Rede de Assistência Social, que conta com mais de dez mil unidades de atendimento à população. A secretária nacional de Assistência Social do Ministério, Ieda Castro, detalha o que prevê a iniciativa.

Secretária nacional de Assistência Social - Ieda Castro: Muito difícil para uma gestante, que ela, nos primeiros meses de gravidez ou mesmo mais adiante, tenha sido acometida pelo Zika. E aí entra a Assistência Social, com toda uma rede de serviços para acompanhar mais de perto essa família, saber quais são as necessidades, pra criar essa rede de proteção.

Repórter João Pedro Neto: A secretária Ieda Castro lembra que bebês com microcefalia, nascidos em famílias com renda por pessoa de até R$ 220 por mês, têm direito ao BPC, o Benefício de Prestação Continuada. Nesse caso, o benefício é pago ao responsável pela criança.

Secretária nacional de Assistência Social - Ieda Castro: Ela vai precisar ir com mais frequência ao médico, ir com mais frequência às atividades de estimulação, então ela pode precisar de um suporte financeiro. E o BPC é isso, é um aporte financeiro, é uma renda para que essa família possa cuidar melhor do seu bebê.

Repórter João Pedro Neto: O Benefício de Prestação Continuada, instituído em 1988 para prestar assistência social a pessoas com deficiência e a idosos, deve ser solicitado junto ao INSS e o valor é de um salário mínimo. Reportagem, João Pedro Neto.

Luciano: Mais um teste para detecção rápida do Zika vírus foi registrado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Anvisa.

Helen: Este é um produto especialmente voltado para a triagem instantânea dos pacientes. De acordo com o fabricante, o resultado pode ser conhecido entre 15 e 20 minutos após a aplicação.

Luciano: O teste é o quarto produto aprovado pela Anvisa para o diagnóstico da Zika e o terceiro capaz de identificar se o paciente teve a doença mesmo após a eliminação do vírus. Sete e sete, no horário brasileiro de verão.

Helen: Água na torneira e esgoto encanado. Cada vez mais, brasileiros estão tendo acesso ao saneamento básico.

Luciano: Além de garantir recursos para as obras, o Ministério das Cidades trabalha junto aos municípios para acelerar os projetos e obras de saneamento.

Repórter Luana Karen: Mais de 93% dos moradores de áreas urbanas tinham água encanada em 2014. Eram 156,4 milhões de brasileiros que abriam a torneira e tinham água de qualidade todos os dias. Dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Básico revelam também que, em 2014, 57,6% dos brasileiros que moravam em cidades eram atendidos por redes de coleta de esgoto. O secretário nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades, Paulo Ferreira, comenta os resultados.

Secretário nacional de Saneamento Ambiental - Paulo Ferreira: O que nós temos que fazer é não deixar faltar recursos, temos que procurar inovação tecnológica, temos que criar condições rápidas de licitação. Então, essas são, eu acho que, na minha opinião, os pontos fundamentais para você avançar rapidamente no trabalho.

Repórter Luana Karen: De acordo com as normas que regulam o setor, a responsabilidade por oferecer saneamento básico aos brasileiros é dos municípios. O Governo Federal atua apenas de forma complementar, com pesquisas e financiamentos, por exemplo. Mesmo assim, dos quase R$ 12,2 bilhões investidos em saneamento básico em 2014, cerca de R$ 11,4 bilhões vieram do Governo Federal. Segundo o secretário nacional de Saneamento Ambiental - Paulo Ferreira, os municípios têm dificuldade para enfrentar esse problema.

Secretário nacional de Saneamento Ambiental - Paulo Ferreira: Tem que ter uma rapidez na velocidade da execução dos empreendimentos. Nessa direção, o Ministério tem feito um esforço muito grande de dar assistência, verificar quais são os problemas de aconteceram, se de licitação, se de licenciamento, se falta de capacidade técnica, para poder resolver o problema.

Repórter Luana Karen: Desde 2013 o país conta com o Plano Nacional de Saneamento Básico, que traz como meta para até 2023 que todos os brasileiros tenham água encanada em casa e que, até 2033, mais de 90% conte com rede de esgoto. Reportagem, Luana Karen.

Helen: E este ano, o Ministério das Cidades deve fechar mais de 140 contratos com estados e municípios, para obras de saneamento.

Luciano: Algumas pretendem afastar o risco de racionamento de água.

Helen: Goiás e Distrito Federal, por exemplo, estão aumentando a capacidade de produção de água, com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento.

Repórter Nei Pereira: O Distrito Federal foi projetado para abrigar 500 mil habitantes, mas hoje possui cinco vezes mais. Entre as demandas do aumento da população, está o consumo de água. Mesmo operando com boa margem de segurança, a produção no Distrito Federal e entorno vai ganhar reforço, com a construção do Sistema Produtor de Água Corumbaçu, que está em obras em Valparaíso, de Goiás. O técnico de fiscalização da obra, Diogo Mota, afirma que, com a estação, Brasília evita racionamento de água no futuro.

Técnico de fiscalização - Diogo Mota: É um reforço a mais, para que não venhamos ter falta d'água, que isso hoje, no país, assim, está em grande eminência.

Repórter Nei Pereira: A primeira etapa, já contratada por meio do Programa de Aceleração do Crescimento, o PAC, é executada pelos governos do Distrito Federal e de Goiás. Metade da água produzida aqui vai para o Distrito Federal e outra parte para quatro municípios goianos. O total de investimentos é de mais de R$300 milhões. Marcos Pessoa, fiscal da Companhia de Saneamento do Distrito Federal, explica as fases da obra.

Fiscal da Companhia de Saneamento do Distrito Federal - Marcos Pessoa: Nos próximos dias, deveremos estar iniciando a montagem eletromecânica, já. A conclusão dessa etapa é em torno de março de 2017.

Repórter Nei Pereira: O Governo Federal repassou mais de R$ 104 bilhões para investimento em saneamento básico entre 2007 e 2015. No período, foram concluídas 1.058 obras em todo o país e atendidas cerca de 50 milhões de pessoas. Para este ano, o Ministério das Cidades disponibiliza R$ 8 bilhões de reais. Reportagem, Nei Pereira.

Luciano: Aprovar projetos importantes para retomar o crescimento da economia.

Helen: Para isso a presidenta Dilma Rousseff se reuniu hoje com líderes da base aliada, na Câmara dos Deputados.

Repórter Ricardo Carandina: Participaram da reunião com a presidenta Dilma 24 parlamentares de 14 partidos da base aliada. O líder do governo na Câmara, deputado José Guimarães, explicou quais são as prioridades do governo na retomada das votações do Congresso Nacional, que retornou às atividades nesta terça feira depois do Carnaval. Guimarães citou a discussão a respeito da Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras, a CPMF, e a votação de duas medidas provisórias: a que reduz o número de ministérios e a que autoriza bancos públicos a comprar ativos de outros bancos. Também são prioridades do governo os Projetos de Lei que tratam dos salários dos servidores públicos e do terrorismo. José Guimarães disse ainda que o governo aposta no diálogo para a retomada do crescimento econômico, e para isso vai fazer reuniões todas as semanas com partidos da base aliada.

Líder do governo na Câmara - José Guimarães: A presidenta inicia, já na segunda, a reunião com todas as bancadas, todas. Vai reservar a presidenta, segunda à noite, terça e quarta, em horários diferentes, reunião com as bancadas. Vai abrir o debate.

Repórter Ricardo Carandina: Na reunião com a presidenta Dilma, também foi discutido um pacto pelo crescimento. De acordo com o deputado José Guimarães, pelo pacto os aliados se comprometem, por exemplo, a não aprovar novas despesas no Congresso e a trabalhar pelo aumento da receita. Reportagem, Ricardo Carandina.

Luciano: Enquanto isso, os empresários começam a dar sinais de mais confiança na economia brasileira.

Helen: Um levantamento da Fundação Getúlio Vargas mostra uma melhora nas expectativas do empresariado.

Luciano: Na indústria, por exemplo, o índice teve o maior nível desde março do ano passado.

Helen: A pesquisa também mostra outros indicadores de confiança em serviços, no comércio, no consumidor e no emprego.

Repórter Paulo La Salvia: Um dos setores pesquisados pela Fundação Getúlio Vargas foi o de prestação de serviços. A confiança do empresariado do setor alcançou 11 de 13 atividades. O empresário Gustavo Uessugue, de Brasília, é um dos que está expandindo o negócio. Ele abriu a primeira academia há quatro anos, hoje são três, com 400 alunos e uma renda, que, entre 2014 e 2015, cresceu 20%, Gustavo pretende investir ainda mais neste ano.

Empresário - Gustavo Uessugue: A gente tem confiança, sim, e continua investindo bastante, tanto em curso de qualificação como também em material, tudo tentando oferecer o melhor serviço.

Repórter Paulo La Salvia: A confiança dos empresários do setor do comércio foi a que mais cresceu em janeiro. O pesquisador da Fundação Getúlio Vargas, Sílvio Sales, explica como funciona a pesquisa.

Pesquisador - Sílvio Sales: O indicador da situação atual e o indicador de expectativas cresceram em janeiro, sendo que o efeito mais relevante sobre o indicador de confiança veio das avaliações sobre o momento presente.

Repórter Paulo La Salvia: Para o professor de economia da Universidade de Brasília, Roberto Piscitelli, os índices da pesquisa revelam maior otimismo em relação à economia.

Professor de economia - Roberto Piscitelli: Nesse caso, a gente não pode ignorar o fato de que se trata de um conjunto de índices, portanto ele é muito abrangente, do ponto de vista do conjunto da economia, e pode ser indicativo de que as expectativas são mais favoráveis e, portanto, existe uma possível maior disposição dos agentes econômicos no sentido de retomarem seus projetos.

Repórter Paulo La Salvia: Na indústria, o otimismo chegou a 12 de 19 segmentos. Essa motivação é vista numa empresa brasileira que fabrica produtos típicos da culinária japonesa. Além do mercado interno, as vendas incluem 22 países, sendo o principal mercado a América do Sul. Com o dólar mais alto, a meta é ampliar investimentos nas exportações, já que as mercadorias nacionais ficam mais baratas para produzir e vender lá fora. É o que explica o coordenador de exportações da empresa, Hamini Siag.

Coordenador de exportações - Hamini Siag: Esse ano, estamos planejando um crescimento de 24% nas vendas físicas.

Repórter Paulo La Salvia: O levantamento da Fundação Getúlio Vargas foi realizado entre 4 e 25 de janeiro, quando foram pesquisadas mais de 1.200 empresas. Reportagem, Paulo La Salvia.

Luciano: E se os empresários estão mais confiantes com o aumento das exportações, grande parte dos produtos que vendemos para o exterior sai do país por meio de navio.

Helen: E no ano passado, pela primeira vez, os portos do Brasil superaram a marca de 1 bilhão de toneladas em movimentação de cargas.

Luciano: O recorde foi divulgado hoje e faz parte de uma página lançada na Internet, que traz todas as informações do setor.

Repórter João Pedro Neto: Com mais de 1 bilhão de toneladas de produtos, os portos brasileiros atingiram a maior movimentação da história em 2015. O volume é quase 4% maior do que no ano anterior. Agora, essa informações e outros dados detalhados sobre as operações nos terminais, como o volume e tipo de cargas, capacidade e custos de utilização, podem ser consultadas por qualquer pessoa, a partir de uma plataforma virtual aberta, o Web Portos, lançada pela Secretaria de Portos e que conta com dados de diversas fontes oficiais. Para o ministro da Secretaria de Portos, Helder Barbalho, a medida dá mais transparência ao setor e ajuda na tomada de decisões.

Ministro da Secretaria de Portos - Helder Barbalho: Ofertamos uma ferramenta, que estará subsidiando as decisões e planejamentos de quem atua no setor portuário, mas também será uma ferramenta para que a imprensa utilize, para que o cidadão comum possa conhecer mais a respeito dessa atividade tão importante para o Brasil.

Repórter João Pedro Neto: É possível consultar pela ferramenta, que vai ser atualizada mensalmente, gráficos e tabelas específicas e as ações federais para o desenvolvimento do setor. O ministro Helder Barbalho destacou que as informações são importantes, já que a expectativa é que o setor continue crescendo neste ano, e lembrou que em breve vão ser concedidas novas áreas para operação privada.

Ministro da Secretaria de Portos - Helder Barbalho: Estaremos leiloando, no dia 31 de março, seis áreas vinculadas à atividade de grãos, todas elas no Arco Norte, todas no estado do Pará, o que é fundamental para o escoamento da produção do centro-oeste.

Repórter João Pedro Neto: A ferramenta Web Portos pode ser acessada a partir da pagina da Secretaria de Portos, na Internet, no endereço www.portosdobrasil.gov.br. Reportagem João Pedro Neto.

Luciano: Sete e 18, no horário brasileiro de verão.

Helen: A Petrobras anunciou hoje as operações na área de Lula Alto, sétimo sistema de produção do pré-sal, na bacia de Santos, no litoral de São Paulo.

Luciano: A produção é feita pelo navio-plataforma Cidade de Maricá, cuja capacidade é de até 150 mil barris de petróleo e 6 milhões de metros cúbicos de gás por dia.

Helen: O presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, afirmou que a empresa está aperfeiçoando suas normas, controles e a gestão.

Luciano: Para Bendine, com a operação de mais um sistema do pré-sal, a Petrobras amplia eficiência e busca melhores resultados, mesmo com a baixa cotação do petróleo no mercado internacional.

Presidente da Petrobras - Aldemir Bendine: Um momento como esse, hoje, aqui em Santos, reflete bem o que é a Petrobras, o que sempre foi, o que sempre será a maior empresa brasileira. Mesmo com um aumento, onde o preço, a comercialização do nosso principal produto, esteja num momento de baixa, nós temos buscado eficiência na nossa tecnologia, na nossa capacidade de se reinventar, que tem permitido a gente trazer resultado operacional muito positivo, mesmo com esse 'commodity', mesmo com a 'commodity' numa situação como hoje está.

Helen: A partir de agora, os microempreendedores individuais devem imprimir o carnê para pagamento de suas contribuições.

Luciano: Segundo a Secretaria Especial da Micro e Pequena Empresa, o Carnê da Cidadania não será mais enviado pelos Correios neste ano.

Helen: Pra realizar o pagamento, basta que o empresário imprima o boleto no portal do empreendedor, em www.portaldoempreendedor.gov.br.

Luciano: Quem atrasou o pagamento também pode imprimir o boleto, com multas e juros. Não é necessário procurar nenhuma instituição.

Helen: Os trabalhadores nascidos nos meses de março e abril, podem sacar o abono salarial do Programa de Integração Social, o PIS, a partir de hoje.

Luciano: O saque do benefício pode ser feito nas agências da Caixa Econômica Federal, casas lotéricas e correspondentes Caixa Aqui.

Helen: Para saber se você tem direito a receber o benefício de um salário mínimo, basta ligar de graça no 0800 726 0207. Lembrando que os correntistas da Caixa recebem o crédito do pagamento diretamente nas suas contas.

Luciano: Quem anda de bicicleta, skate ou patins precisa estar atento ao uso dos equipamentos de segurança.

Helen: O capacete, por exemplo, pode ser fundamental pra minimizar os impactos, caso ocorra um acidente ou queda.

Luciano: Mas será que esses equipamentos são realmente seguros? O Inmetro fez testes com capacetes vendidos no Brasil e quem traz informações sobre os resultados é o repórter Leonardo Meira.

Repórter Leonardo Meira: Os carros ainda são maioria nas ruas das cidades brasileiras, mas os ciclistas ocupam cada vez mais espaço. E tem muita gente que usa o capacete como item de segurança, embora não seja obrigatório. O Inmetro testou a segurança dos produtos de oito marcas do mercado. Três capacetes eram de uso infantil e cinco adulto. Duas marcas foram reprovadas no teste de eficiência do sistema de fixação, o clipe e cordinhas que fixam o capacete. Uma terceira foi reprovada nos ensaios de resistência e facilidade de abertura do sistema de fixação e absorção de impacto. E todas as oito marcas foram reprovadas no aspecto rotulagem, pois não tinham informações obrigatórias, como nome, fabricante e CNPJ. O supervisor do laboratório onde foram feitos os testes, Tiago Hainé(F), diz que o capacete protege de acordo com a circustância do acidente.

Supervisor do Inmetro - Tiago Hainé(F): O capacete, ele vai proteger a cabeça, mas depende muito da circustância da queda, tem n fatores, mas ele, sim, protege.

Repórter Leonardo Meira: O chefe da divisão de Orientação e Incentivo à Qualidade do Inmetro, André dos Santos, orienta as empresas a seguirem as normas de fabricação, mesmo que a certificação para a venda do produto ainda não seja obrigatória.

Chefe de Orientação e Incentivo à Qualidade - André dos Santos: Como orientação que o Inmetro dá, que os fabricantes, os importadores, eles sigam as orientações que estão na norma brasileira. E para os ciclistas, a gente daria também a orientação de que deve sim utilizar capacetes para, enfim, minimizar os impactos de um eventual acidente.

Repórter Leonardo Meira: Segundo informações do Ministério da Saúde, 16 mil ciclistas morreram entre 2003 e 2013, vítimas de acidentes no trânsito. Reportagem, Leonardo Meira.

Helen: Os selecionados na segunda chamada do Programa Universidade para Todos, o Prouni, têm até a próxima quinta-feira, dia 18 de fevereiro, para comprovarem os dados apresentados na ficha de inscrição.

Luciano: Os estudantes precisam verificar no site da universidade em que foi aprovado quais os horários e locais para conferência dos dados.

Helen: Agora, se o estudante não for aprovado em nenhuma das chamadas, ainda pode registrar que tem interesse em participar das listas de espera. A data para se inscrever começa dia 26 de fevereiro.

"Olimpíadas 2016 - Somos todos Brasil"

Luciano: E o Brasil vai levar um número recorde de 32 nadadores para os Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro.

Helen: A natação é a segunda modalidade que mais rendeu medalhas ao Brasil na história dos Jogos Paralímpicos.

Luciano: A modalidade faz parte da competição desde 1960. De lá pra cá, o país já subiu ao pódio 83 vezes. Só quem supera a natação é o atletismo, com total de 109 medalhas.

Helen: Você ouviu hoje na Voz do Brasil.

Luciano: Mais uma frente de combate ao Zika. União Europeia destina € 10 milhões para pesquisas.

Helen: E cientistas americanos e brasileiros já estão na Paraíba para estudar casos de microcefalia.

Luciano: Saneamento. Mais de 150 milhões de brasileiros têm água encanada e o governo vai investir R$ 8 bilhões em obras neste ano.

Helen: Esse foi o noticiário do Poder Executivo, uma realização da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

Luciano: Produção: EBC Serviços.

Helen: Quer saber mais sobre os serviços e informações do Governo Federal? Acesse www.brasil.gov.br. Boa noite.

Luciano: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite e até amanhã.