27/04/2016 - A Voz do Brasil

Dilma Rousseff participa das Conferências Conjuntas de Direitos Humanos, que irá formular políticas públicas direcionadas a crianças, adolescentes, idosos, pessoas com deficiência e população LGBT. Começou hoje a campanha de vacinação contra a gripe. Faltam 100 dias para o início dos Jogos Rio 2016. Tudo isso você ouviu nesta quarta-feira em A Voz do Brasil!

27/04/2016 - A Voz do Brasil

Dilma Rousseff participa das Conferências Conjuntas de Direitos Humanos, que irá formular políticas públicas direcionadas a crianças, adolescentes, idosos, pessoas com deficiência e população LGBT. Começou hoje a campanha de vacinação contra a gripe. Faltam 100 dias para o início dos Jogos Rio 2016. Tudo isso você ouviu nesta quarta-feira em A Voz do Brasil!

27-04-2016-voz-do-brasil.mp3

Duração:

Publicado em 09/12/2016 15:45

A VOZ DO BRASIL - 27/04/2016


Apresentador Luciano Seixas: Sete da noite, em Brasília.

Apresentadora Helen Bernardes: Presidenta Dilma reafirma que vai lutar até o fim para que a democracia seja respeitada.

Luciano: Sábado começa a vacinação contra a gripe, que também previne o H1N1. Vinte e um estados e o Distrito Federal anteciparam a campanha.

Helen: Novas regras para o Fies. Seleção de estudantes vai ter nota de corte e opção para mudar o curso. Ideia é reduzir vagas não preenchidas.

Luciano: Contagem regressiva para as Olimpíadas no Rio de Janeiro: faltam 100 dias.

Helen: Quarta-feira, 27 de abril de 2016.

Luciano: Está no ar a sua voz.

Helen: A nossa voz.

Luciano: A Voz do Brasil. Boa noite. Aqui, no estúdio da Voz do Brasil, eu, Luciano Seixas, e Helen Bernardes.

Helen: Olá, boa noite. Você pode acessar a Voz do Brasil, do Poder Executivo, ao vivo, em vídeo, pela internet.

Luciano: É só acessar www.ebcservicos.com.br/avozdobrasil.

Helen: No sábado, começa em todo o país a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe.

Luciano: Segundo o Ministério da Saúde, 230 pessoas morreram vítimas da gripe H1N1 neste ano.

Repórter Paulo La Salvia: Neste ano, 21 estados e o Distrito Federal anteciparam as doses por causas do maior número de mortes ligadas ao vírus H1N1, uma variação mais forte da gripe. O ministro da Saúde, Marcelo Castro, lembrou da importância da campanha.

Ministro da Saúde - Marcelo Castro: A gripe é uma enfermidade muito contagiosa e que infelizmente este ano ela veio mais cedo do que os outros anos, nós tivemos que antecipar a distribuição das vacinas, mas mesmo assim nós vamos com um índice muito elevado de casos graves e de muitos óbitos, o que verdadeiramente está nos preocupando demais.

Repórter Paulo La Salvia: A campanha tem como público prioritário pessoas com mais de 60 anos, gestantes e mulheres que deram à luz há 45 dias, além de crianças de seis meses a menores de cinco anos. A meta é vacinar 80% desse público, estimado em quase 50 milhões de pessoas. A atriz Arlete Sales, que tem mais de 60 anos e é a estrela da campanha, fez um apelo à população.

Atriz - Arlete Sales: Eu peço inclusive aos familiares dos idosos que encaminhem os seus idosos para os postos de vacinação, né? É fundamental para a gente impedir mais uma epidemia nesse momento que temos já tantas outras, não é?

Repórter Paulo La Salvia: A tendência, segundo o secretário de Vigilância em Saúde, Antonio Carlos Nardi, é uma redução dos casos de H1N1 no país.

Secretário de Vigilância em Saúde - Antonio Carlos Nardi: Houve uma antecipação dos quadros de incidência da doença. Porém, nesse transcorrer nós já estamos tendo alguma sinalização de diminuição.

Repórter Paulo La Salvia: As vacinas vão ser aplicadas em 65 mil postos em todo o país. Reportagem, Paulo La Salvia.

Helen: Quem estiver pensando em aderir ao Financiamento Estudantil, o Fies, o Ministério da Educação acaba de anunciar algumas mudanças nas regras, que vão valer para o próximo semestre.

Luciano: As novas regras ocorrem no processo de seleção de alunos e na escolha de cursos prioritários. O repórter Ricardo Carandina traz as informações, as novidades, ao vivo, na Voz do Brasil. Boa noite, Carandina.

Repórter Ricardo Carandina (ao vivo): Olá, Luciano. Boa noite a você, Helen e ouvintes da Voz do Brasil. Bem, entre as mudanças estão a inscrição, período de inscrição, que no ano passado foi em agosto, vai ser agora antecipada para junho. Entre as vagas oferecidas pelas instituições que fazem parte do programa, 60% devem ser das áreas prioritárias, e dentro dessas áreas prioritárias, metade das vagas deve ser de cursos na área de saúde, 40% para as engenharias e 10% para a formação de professores. Vagas que não tiveram procura podem ser remanejadas. O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, explicou as mudanças.

Ministro da Educação - Aloizio Mercadante: Nós não vamos abrir mão dos cursos prioritários, que é medicina, as engenharias e as licenciaturas, formação de professor. Isso é prioridade do país e é prioridade do MEC. Agora como o prioridade, ela estava muito rígida, nós estamos dando uma flexibilização para que todos os demais cursos possam aumentar o número de bolsas.

Repórter Ricardo Carandina (ao vivo): Bem, para concorrer ao Financiamento Estudantil, o estudante precisa ter feito o Enem a partir de 2010, com média mínima de 450 pontos, e mais do que zero na redação. Durante o período de inscrições, que passam de cinco dias corridos para cinco dias úteis, o candidato pode mudar a opção de cursos quantas vezes quiser. O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, afirmou que as mudanças devem facilitar o acesso aos financiamentos e garantiu que os recursos para o Fies estão assegurados. O Ministério também anunciou mudanças na avaliação dos cursos de níveis superior. Ao vivo, Ricardo Carandina.

Helen: E começou agora há pouco, aqui em Brasília, a 12ª edição da Conferência Nacional dos Direitos Humanos.

Luciano: O objetivo é juntar a sociedade civil para debater com o governo como garantir os direitos de grupos como crianças e adolescentes, público LGBT, idosos e pessoas com deficiência.

Helen: A presidenta Dilma Rousseff participou da abertura deste evento. A repórter Taíssa Dias acompanhou tudo e traz as informações, ao vivo, para a gente. Boa noite, Taíssa. Como é que foi aí esse início de conferência?

Repórter Taíssa Dias (ao vivo): Boa noite, Helen. Boa noite, Luciano e ouvintes da Voz do Brasil. Cerca de dois mil representantes do setor público e da sociedade civil participaram da cerimônia. A presidenta Dilma Rousseff disse que a conferência é um espelho do que se deseja para a sociedade, com tolerância e respeito às diferenças. Dilma afirmou que não há democracia sem direitos humanos e destacou os avanços de seu governo nesse tema. A presidenta assinou decretos como o que regulamenta o novo marco regulatório da sociedade civil e outro que cria uma rede intersetorial de reabilitação integral.

Presidenta Dilma Rousseff: Eu queria ainda destacar que para fortalecer a luta pela redução da violência contra a juventude, em especial a juventude negra, contra homens e mulheres, eu enviei ao Congresso Nacional um pedido de urgência constitucional, o projeto de lei dos autos de resistência, que altera o Código de Processo Penal e prevê a investigação das mortes e das lesões corporais cometidas por policiais durante as atividades repressivas.

Repórter Taíssa Dias (ao vivo): A Conferência dos Direitos Humanos faz parte das conferências conjuntas promovidas pelo Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos. Elas tiveram uma primeira etapa que começou no último domingo e terminou hoje com o encerramento de quatro conferências temáticas. Nós vamos saber um pouco mais sobre elas na reportagem de Gabriela Noronha.

Repórter Gabriela Noronha: Lidar com o preconceito, a intolerância e o desrespeito às pessoas que fogem do padrão da sociedade são desafios diários para Uescla Vasconcelos. A universitária mora em Sobral, no Ceará, e ainda criança foi vítima de uma brincadeira de mau gosto na escola. Para a estudante, a violência foi motivada pela sua orientação sexual e deixou marcas.

Universitária - Uescla Vasconcelos: Então isso nos põe num extremo de dois lados, né? O que é que a escola é e o que ela representa, o que é ela reproduz, né, nesses preconceitos, nessas opressões.

Repórter Gabriela Noronha: Tornar crime a violência práticas contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transsexuais é um dos temas das Conferências Conjuntas de Direitos Humanos. Segundo o secretário especial de Direitos Humanos do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, Rogério Sotilli, essa é a primeira vez que o Brasil realiza as conferências temáticas de forma simultânea.

Secretário Especial de Direitos Humanos do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos - Rogério Sotilli: Essas pessoas interagindo, então está sendo na prática o que devem ser os direitos humanos, uma convivência.

Repórter Gabriela Noronha: Para Epitácio Luiz, do Sindicato Nacional dos Trabalhadores, Aposentados, Pensionistas e Idosos, todos, minorias ou não, serão idosos um dia, e, por isso, é um dever lutar pelos direitos das pessoas mais velhas.

Representante do Sindicato Nacional dos Trabalhadores, Aposentados, Pensionistas e Idosos - Epitácio Luiz: Então, é necessário que você já esteja trabalhando a condição de quando chegar lá, deixar alguma coisa que as pessoas possam continuar.

Repórter Gabriela Noronha: Outro ponto importante do evento é debater a acessibilidade das pessoas com deficiência. A dona de casa Rosilda Rosa de Jesus é cadeirante e, em 2014, se mudou para um apartamento que comprou pelo Minha Casa, Minha Vida do governo federal.

Dona de Casa - Rosilda Rosa de Jesus: Eu tentei e graças a Deus eu consegui.

Repórter Gabriela Noronha: O objetivo é construir a partir das discussões políticas públicas que integrem as demandas específicas de cada grupo e respeitem a diversidade. Reportagem, Gabriela Noronha.

Luciano: E a gente volta com a Taíssa Dias, ao vivo, lá da Conferência Nacional dos Direitos Humanos. Taíssa, a presidenta Dilma também falou no seu discurso sobre o processo de impedimento contra o seu mandato, não é isso?

Repórter Taíssa Dias (ao vivo): Falou sim, Luciano. Dilma disse que o processo de impedimento fere a Constituição brasileira e só está acontecendo porque o seu governo não aceitou negociar votos na investigação de crimes de corrupção. A presidenta afirmou que é preciso respeitar o resultado das eleições.

Presidenta Dilma Rousseff: Eu vou lutar até o fim para garantir que a democracia seja respeitada. Esse impeachment, esse processo, ele, na verdade, não é um processo de impeachment; ele é um processo de eleição indireta daqueles que não têm voto para se colocar numa disputa e receber os votos do povo brasileiro, que é o único caminho, o único caminho correto para alguém chegar ao governo.

Repórter Taíssa Dias (ao vivo): A presidenta disse, ainda, que a aprovação do impeachment é desrespeito não só com os seus eleitores, mas com todos que votaram nas eleições.

Presidenta Dilma Rousseff: Mesmo aqueles que não votaram em mim, que compareceram às eleições, que são 110 milhões, 110 milhões de brasileiros naquele dia saíram das suas casas, foram lá e colocaram o voto na urna. Eles também serão roubados do seu voto porque mesmo quando você participa de um processo eleitoral, você tem de respeitar seu adversário, porque você está no mesmo jogo com ele.

Repórter Taíssa Dias (ao vivo): A Conferência Nacional dos Direitos Humanos vai até sexta-feira aqui em Brasília. Ao vivo, Taíssa Dias.

Helen: E a Comissão Especial no Senado definiu, hoje, os nomes de quem deve ir ao colegiado apresentar os argumentos contra e a favor do impedimento da presidenta Dilma Rousseff.

Luciano: Amanhã, falam os autores do pedido, os juristas Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal.

Helen: Na sexta-feira, será a vez da defesa do governo. Para isso foram escalados o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, o ministro da Fazenda, Nélson Barbosa, e um representante do Banco do Brasil que vai explicar o pagamento de benefícios do Pronaf.

Luciano: Os senadores também aprovaram convites para que professores, advogados e juristas também tenham a oportunidade de apresentar argumentos a favor ou contra o impedimento. Eles serão ouvidos na semana que vem. Sete e doze.

Helen: O Supremo Tribunal Federal começou a julgar, hoje, o cálculo dos juros sobre a dívida dos estados com a União.

Luciano: Os ministros suspenderam o processo por 60 dias para abrir uma nova negociação entre os estados e o governo federal.

Helen: É, os ministros também mantiveram a decisão provisória em que já concederam há 11 estados, entre eles Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, o direito de não serem punidos ao realizar o pagamento das parcelas com base em juros simples.

Repórter Jackson Segundo: O governo defende o cálculo de juros compostos, formato utilizado para contratos financeiros. Segundo o ministro da Fazenda, Nélson Barbosa, o prejuízo aos cofres públicos pode chegar a R$ 402 bilhões e apenas seis estados devem se beneficiar. No julgamento do Supremo Tribunal Federal, Grace Vânia Fernandes Mendonça, advogada da União, falou aos ministros em nome da Presidência da República e afirmou que a mudança no cálculo pode significar impactos à economia e aos brasileiros.

Advogada da União - Grace Vânia Fernandes Mendonça: Em um momento em que o país tenta se reerguer do ponto de vista econômico, uma medida dessa ordem pretendida pelos estados configura um verdadeiro nocaute. É, sim, um nocaute nas contas públicas federais. E um nocaute capaz de gerar, sim, concretamente, expansão do desemprego. Capaz de gerar, sim, o encolhimento das políticas públicas sociais. Capaz de gerar, sim, o encolhimento também do crescimento.

Repórter Jackson Segundo: O governo também discorda do novo cálculo diante de uma evolução dos gastos com folha de pagamento dos estados, que mostra uma forte aceleração dessa despesa. Além disso, o Ministério da Fazenda argumenta o impacto da redistribuição dos custos, que de forma indireta significam desconto que os contribuintes federais dariam aos contribuintes estaduais. Isso significa que o contribuinte estadual ganha, mas o mesmo cidadão como o contribuinte da União pode ter que arcar com a parcela desse perdão. Reportagem, Jackson Segundo.

Luciano: Contagem regressiva para as Olimpíadas no Rio de Janeiro: faltam 100 dias.

Helen: E a finalização dos preparativos para o maior evento esportivo do mundo começa em todos os cantos.

Luciano: É, é hora de entregar as obras, aquecer voluntários que vão trabalhar nos jogos e receber bem atletas e turistas do Brasil e do mundo.

Repórter Luana Karen: Foram seis anos de planejamento de obras por toda a parte. Desde a escolha como sede da Olimpíada, o Rio de Janeiro não tira da cabeça a data do grande dia, 5 de agosto de 2016. Até aqui 98% das obras estão prontas. As preocupações se voltam agora para garantir a qualidade do evento. E, segundo o ministro do Esporte, Ricardo Leyser, serviços como o fornecimento de energia elétrica, segurança e mobilidade urbana ganham o centro das atenções.

Ministro do Esporte - Ricardo Leyser: Energia elétrica, em que são centenas de geradores que vão fazer o backup, vão dar a segurança da energia, toda a parte de segurança tanto interna das instalações quanto externa pela cidade, a parte de aeroportos, onde nós vamos receber centenas de milhares de turistas no Rio de Janeiro, e detalhes como saúde animal, meteorologia, quer dizer, praticamente todos os Ministérios estão envolvidos com operações importantes para os jogos.

Repórter Luana Karen: A cem dias dos Jogos Olímpicos, tem uma turma em sala de aula mergulhada na expectativa de participar de maior evento esportivo do planeta. São os voluntários da Rio 2016. Ao todo, serão 50 mil voluntários que vão levar para casa, ao final dos jogos, uma experiência que é para poucos. O engenheiro Sérgio Bernardo tem experiência como voluntário em dois eventos internacionais. A motivação? Diz: está no prazer de participar.

Engenheiro Voluntário - Sérgio Bernardo: Quando eu me candidatei, eu pensei: "Eu quero fazer parte deste evento exatamente para estar aqui e dizer no futuro para filhos e netos que eu fiz parte dessa história, ajudei de algum modo a realizar esses jogos".

Repórter Luana Karen: Quem vem a Olimpíada precisa de um lugar para ficar. Em Copacabana, um dos hostels, que é uma espécie de albergue com vagas mais baratas em quartos compartilhados, já está com mais da metade das vagas para o mês de agosto reservadas. O gerente Henrique Farias Novaes conta que está fazendo uma preparação especial para receber os turistas.

Gerente de Hostel - Henrique Farias Novaes: Preparando algumas programações diferentes, como alguns eventos pequenos dentro do hostel, churrasco, essas coisas, para entreter mais os nossos hóspedes durante esse período.

Repórter Luana Karen: Já o vendedor ambulante Juvenal Pereira da Silva Neto está investindo no inglês e no espanhol para não perder venda.

Vendedor Ambulante - Juvenal Pereira da Silva Neto: A senhora gostaria de uma 'paero'?

Repórter Luana Karen: Os Jogos Olímpicos vão durar 17 dias. Dois mil e quinhentos atletas, de 206 países, vão disputar 306 medalhas, em 42 modalidades esportivas, na primeira Olimpíada a ser realizada na América do Sul. Reportagem, Luana Karen.

Luciano: Sete e dezessete.

>> "Somos todos Brasil - Revezamento da Tocha".

Helen: E a tocha olímpica já está sob a responsabilidade do Brasil. Em uma cerimônia realizada hoje, na Grécia, ela passou para as mãos do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Luciano: Da Grécia, ela segue para a Suíça e chega ao Brasil na próxima terça-feira para começar o revezamento, que vai passar por mais de 300 cidades.

Helen: A tocha vai passar pelas capitais, cidades menores e também pontos turísticos conhecidos pelo mundo todo, como as Cataratas do Iguaçu.

Luciano: E é para lá que vamos hoje em nossa série especial "Pelo Caminho da Tocha". Vamos para o Sul, vamos para o Paraná.

>> "Fundo Musical".

Repórter Ana Gabriela Sales: Nossa primeira parada, Curitiba. Uma cidade grande em que carros, pedestres e ciclistas tentam conviver de forma harmônica. Curitiba criou a chamada "área calma". Calma mesmo. Carros não podem passar de 30 km/h. Tem, ainda, a chamada bicicaixa ou 'bike box', em inglês, para dar vantagem ao ciclista quando o semáforo abre. Projetos pioneiros no país que aos poucos estão mudando a cara da capital paranaense, como conta o assessor de mobilidade urbana da prefeitura de Curitiba, Jorge Goura.

Assessor de Mobilidade Urbana da Prefeitura de Curitiba - Jorge Goura: Isso tudo gera num primeiro momento uma certa resistência por parte do cidadão, muitos motoristas ficam resistentes, mas começam a ver que reduziu o atropelamento.

Repórter Ana Gabriela Sales: E se as mudanças no trânsito são um convite para pedalar, caminhar, sair do sedentarismo, melhor ainda quando a cidade é repleta de parques e jardins. São 16 ao todo. E a beleza do Jardim Botânico, queridinho dos turistas, é um convite à contemplação. Esse cartão postal, o mais visitado de Curitiba, não poderia faltar no percurso do revezamento da tocha. O presidente do Instituto Municipal de Turismo, Caíque Ferrante, destaca que a visita inédita já é motivo de orgulho para a cidade.

Presidente do Instituto Municipal de Turismo - Caíque Ferrante: Nós, curitibanos, teremos a oportunidade de estarmos fazendo parte dessa história, fazendo parte das Olimpíadas aqui no Brasil e bem recebendo essa tocha.

Repórter Ana Gabriela Sales: O treinador da Seleção Brasileira de Ciclismo de Estrada está na contagem regressiva para a estreia dos atletas nos jogos. Mas, antes disso, Adir Romeu conta os dias para chegada da tocha. Ele foi um dos 170 escolhidos para o revezamento em Curitiba.

Treinador da Seleção Brasileira de Ciclismo de Estrada - Adir Romeu: Se estiver frio é melhor. Em 1975, 17 de julho, foi um dos dias que nevou em Curitiba. Talvez seria bastante interessante se acontecesse a mesma coisa nesse dia, né? A neve viesse aqui.

Repórter Ana Gabriela Sales: É, pelo que a gente viu em Curitiba, a chama olímpica vai ser capaz de aquecer até um típico dia de inverno. Agora, a próxima parada é Foz do Iguaçu, no extremo oeste do Paraná. Ao chegar, encontramos uma cidade multicultural: mais de 70 nacionalidades do mundo todo escolheram Foz do Iguaçu para viver. Do marco das Três Fronteiras a gente vê os vizinhos mais próximos: de um lado o Paraguai e do outro a Argentina. O jornalista esportivo Donizete Mello teve o privilégio de ser indicado como um dos condutores. Aos 60 anos de idade e cheio de histórias para contar, essa, com certeza, vai ter um lugar especial na memória.

Jornalista Esportivo - Donizete Mello: Se começarmos a imaginar que a próxima Olimpíada no Brasil, de repente, vai demorar um século, então aquele cidadão, aquela cidadã que esteja presente, participando, deve se sentir orgulhoso acima de tudo em fazer parte até que diretamente da história esportiva do Brasil.

Repórter Ana Gabriela Sales: E, é claro, as cataratas, eleitas a sétima maravilha da natureza, não poderiam ficar de fora desse roteiro. Orgulho para Ivan Batiston, chefe do Parque Nacional do Iguaçu.

Chefe do Parque Nacional do Iguaçu - Ivan Batiston: Não poderia deixar de passar aqui. Cataratas é mundial, o parque nacional tem essa representatividade internacional e mundial, né?

Repórter Ana Gabriela Sales: Além de Curitiba e Foz, a tocha vai percorrer mais 20 cidades só no Paraná. Uma coisa é certa: por onde passar a tocha vai deixar um rastro de união entre os povos, principal símbolo olímpico. Reportagem, Ana Gabriela Sales.

Helen: Maria, José, Ana, João, Francisco, Antonio... Esses são os nomes mais frequentes no Brasil identificados pelo Censo do IBGE divulgado hoje.

Luciano: Foram observados mais de 130 mil nomes diferentes na população brasileira. Para as mulheres o preferido é Maria e para os homens o mais comum é José.

Helen: Agora têm os mais populares a partir do ano de 2000. Os nomes são Kauan, Rian, Enzo, Kailane e Sofia.

Luciano: Por outro lado, caíram em desuso os nomes Alzira, Osvaldo, Geralda, Severina, Avelino e Valdemar. Trinta milhões de reais foram destinados aos hospitais universitários federais de todo o país.

Helen: O dinheiro é do Fundo Nacional de Saúde e será utilizado no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais.

Luciano: A lista dos 50 hospitais que vão receber os recursos está na edição do Diário Oficial de hoje.

Helen: Você ouviu hoje, na Voz do Brasil.

Luciano: Presidenta Dilma reafirma que vai lutar até o fim para que a democracia seja respeitada.

Helen: Sábado começa a vacinação contra a gripe, que também previne o H1N1.

Luciano: Novas regras para o Fies. Seleção de estudantes vai ter nota de corte e opção para mudar o curso. Ideia é reduzir vagas não preenchidas.

Helen: Contagem regressiva para as Olimpíadas no Rio de Janeiro: faltam 100 dias.

Luciano: Esse foi o noticiário do Poder Executivo, uma realização da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

Helen: Produção: EBC Serviços.

Luciano: Quer saber mais sobre o governo federal? Assista à TV NBR e acesse www.brasil.gov.br. Boa noite.

Helen: Fique agora com o Minuto do TCU e, em seguida, as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite e até amanhã.