27/10/2016 - A Voz do Brasil

Michel Temer lança o programa Crescer Sem Medo, voltado às micro e pequenas empresas. Entre as medidas anunciadas, está a facilitação para pagamento de dívidas tributárias. Índice de confiança do consumidor brasileiro é o maior desde 2014. Tudo isso você ouviu nesta quinta-feira em A Voz do Brasil!

27/10/2016 - A Voz do Brasil

Michel Temer lança o programa Crescer Sem Medo, voltado às micro e pequenas empresas. Entre as medidas anunciadas, está a facilitação para pagamento de dívidas tributárias. Índice de confiança do consumidor brasileiro é o maior desde 2014. Tudo isso você ouviu nesta quinta-feira em A Voz do Brasil!

27-10-2016-voz-do-brasil.mp3

Duração:

Publicado em 09/12/2016 15:45

Voz do Brasil - 27.10.2016

Apresentador Luciano Seixas: Sete da noite em Brasília, no horário brasileiro de verão.

Apresentadora Helen Bernardes: Crescer sem medo. Presidente Michel Temer assina lei para beneficiar micro e pequenos empresários de todo o país.

Luciano: Lei amplia prazo para pagamento de dívidas e aumenta teto do Simples Nacional.

Presidente Michel Temer: Temos que trabalhar intensamente para gerar emprego, e hoje este ato é precisamente um ato gerador de empregos.

Helen: Governo federal, Congresso e o Judiciário se reúnem amanhã para tratar de ações de segurança pública. Temer defende harmonia entre os três poderes.

Luciano: Pesquisas para produção da vacina contra a Dengue estão a todo vapor. A Voz do Brasil vai falar como e quando elas devem chegar aos postos de saúde.

Helen: Quinta-feira, 27 de outubro de 2016.

Luciano: Está no ar a sua voz.

Helen: A nossa voz.

Luciano: A Voz do Brasil. Boa noite. Aqui no estúdio da Voz do Brasil, eu, Luciano Seixas, e Helen Bernardes.

Helen: Geração de empregos, novos investimentos e crescimento dos pequenos negócios.

Luciano: Essa é a expectativa com a sanção do presidente Michel Temer à lei que altera o Simples, o regime de tributação especial com menos burocracia para as pequenas empresas.

Helen: E entre as novidades também está o aumento do limite para ser um microempreendedor individual e a prorrogação do prazo pra quitar dívidas de quem deixou de pagar os impostos.

Repórter Taíssa Dias: 660 mil microempresas em todo o país têm dívidas tributárias e correm o risco de serem excluídas do Simples, o regime especial de tributação. Agora, esses empresários vão poder dividir esses débitos em até 120 vezes. O presidente do Sebrae, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Guilherme Afif Domingos, explica que o mutirão vai ajudar os empresários a regularizarem as dívidas.

Presidente do Sebrae - Guilherme Afif Domingos: Mutirão da Renegociação é um trabalho em todo o Brasil de orientação a essas pequenas empresas, pra elas, até dia 31 de dezembro deste ano, correrem para regularizar a sua situação, já que nós vamos ter uma janela de 90 dias para efeito do financiamento.

Repórter Taíssa Dias: Com a nova lei, que ganhou o nome de Crescer sem Medo, os limites máximos de faturamento das empresas para adesão ao Simples foram expandidos. Para fazer parte do programa, as microempresas deveriam ter receita bruta anual de até R$ 3,6 milhões. Agora, o faturamento pode ser de até R$ 4,8 milhões por ano. E, a partir de 2018, também vai ser ampliado o teto para os microempreendedores individuais, que passará de R$ 60 mil para R$ 81 mil por ano. Outra novidade é que os pequenos negócios do setor de bebidas também vão poder optar pelo Simples. A medida vai beneficiar por exemplo cervejeiros artesanais e pequenos produtores de vinho e cachaça, como Abrão Bastos, que é vice-presidente da Associação Goiana de Produtores de Cachaça de Alambique.

Vice-Presidente da Associação Goiana de Produtores de Cachaça de Alambique - Abrão Bastos: Facilita bastante, reduz bastante essa carga tributária e, com isso, o setor só tem a melhorar e produzir melhor para os nossos clientes.

Repórter Taíssa Dias: O presidente Michel Temer disse que as novas medidas estão de acordo com os objetivos do governo, que tem buscado diálogo com a sociedade e o Congresso Nacional para reduzir o desemprego.

Presidente Michel Temer: Este ato é precisamente um ato gerador de empregos. Nós não estamos fazendo abertura fiscal ou renúncia fiscal. Nós estamos é produzindo para o país, nós estamos é fazendo com que todos se entusiasmem e todos, reunidos, pacificados, entrosados, possam trabalhar pelo nosso país.

Repórter Taíssa Dias: E o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, destacou o papel dos microempreendedores na recuperação da economia.

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: O microempreendimento, ele vai além da geração de emprego, ele vai além da atividade econômica, é algo fundamental para qualquer país, qualquer sociedade, um papel de novas técnicas, novos negócios, novas tecnologias.

Repórter Taíssa Dias: Outra lei sancionada pelo presidente nesta quinta-feira é a do Salão Parceiro, que estabelece que salões de beleza firmem contratos com os trabalhadores do setor como cabeleireiros, manicures e maquiadores, que podem adotar o regime de tributação previsto no Estatuto das Micro e Pequenas Empresas. Assim, os proprietários de salão vão poder dividir os custos tributários com os profissionais que trabalham em parceria. Reportagem, Taíssa Dias.

Luciano: A nova lei vai beneficiar milhões de brasileiros que se tornaram microempreendedores nos últimos anos.

Helen: São mais de 6 milhões de MEIs por todo o Brasil, que contam com tributos simplificados e impostos reduzidos.

Luciano: Gente que aproveitou a oportunidade pra deixar o trabalho informal e realizar sonhos.

Repórter Mara Kelupp: A estilista de São Paulo Karla Schimmelpfeng trabalha para realizar sonhos. Ela confecciona vestidos de noiva.

Estilista - Karla Schimmelpfeng: Eu resolvi fazer um serviço especializado pra elas com tudo que elas sempre sonharam no vestido delas.

Repórter Mara Kelupp: A conquista do ateliê de Karla veio há dois anos, quando saiu da informalidade e virou microempresária. A estilista disse que vê muitas vantagens.

Estilista - Karla Schimmelpfeng: Eu posso ter um funcionário, que pode me ajudar e não preciso pagar os encargos muito altos, o encargo é menor. A gente tem outras vantagens como se a gente fosse empreendedor grande.

Repórter Mara Kelupp: Vantagens também foi o que viu a boleira Leni Rebouças, do Ceará, que abriu uma confeitaria. Leni explica que o MEI ajudou a alavancar a empresa.

Boleira - Leni Rebouças: Eu expandi o meu negócio, porque agora eu estou registrada, pude registrar minha funcionária e minhas vendas aumentaram.

Repórter Mara Kelupp: O microempreendedor individual trabalha por conta própria e se legaliza como pequeno empresário. A simplificação de tributos e a isenção de impostos são algumas vantagens oferecidas ao MEI. Há nove meses o microempreendedor de Brasília, Eric Silveira, enxergou esse potencial e resolveu entrar no ramo da alimentação saudável. Começou servindo 10 refeições por dia para amigos e hoje esse número cresceu 5 vezes.

Microempreendedor - Eric Silveira: O MEI ajuda a gente a ter uma base sólida sem ter muitos percalços durante o caminho.

Repórter Mara Kelupp: Para se ter uma ideia de como o número de microempreendedores cresceu no país, em 2010 eram 700 mil e hoje são 6,5 milhões. Reportagem, Mara Kelupp.

Helen: Ah, e quem se formaliza tem também acesso a benefícios, como aposentadoria, licença-maternidade, auxílio doença.

Luciano: E você, quer saber como fazer pra se tornar um empreendedor? Você pode fazer tudo pela internet, no site portaldoempreendedor.gov.br.

Helen: E, como disse o presidente Michel Temer, o objetivo é gerar empregos.

Luciano: Até porque, segundo o Sebrae, as micro e pequenas empresas abriram 6 mil postos de trabalho nos últimos dois meses.

Helen: Durante a Sanção do projeto de lei hoje, no Palácio do Planalto, o ministro da Fazenda reforçou que além de medidas como essas é preciso, sim, controlar gastos, ou seja, só gastar o que se arrecada.

Luciano: Para Henrique Meirelles, por isso a proposta que cria um limite para os gastos públicos, que está em análise no Senado, é tão importante.

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Neste momento do Brasil, para que nós possamos voltar a crescer, o governo tem que controlar as suas contas. O que nós precisamos fazer pra permitir que a economia cresça, e no momento em que a atividade econômica começa a dar sinais de reação, a primeira, o primeiro resultado disso é a criação de emprego na microempresa, criação de emprego na base, e este é o grande impacto pela economia brasileira.

Luciano: Sete e nove, no horário brasileiro de verão.

Helen: É, e sobre os sinais da recuperação da economia, a gente vai falar agora.

Luciano: É que quando o consumidor está otimista com o futuro, a tendência é que ele gaste mais na compra de bens, confiante que vai conseguir pagar as contas.

Helen: É, e esse otimismo, traduzido em maior consumo, acaba estimulando o crescimento econômico.

Luciano: Uma pesquisa feita todo mês pela Fundação Getúlio Vargas revela o atual índice de confiança do consumidor brasileiro. É o maior desde dezembro de 2014.

Repórter Beatriz Amiden: Shoppings e comércio cheios. Não estamos em época de dia das mães, dia dos pais ou Natal, mas o brasileiro está comprando mais.

Entrevistada: Estou consumindo mais, sim, estou tendo oportunidade de vir mais ao shopping.

Entrevistada: Já estou vendo pessoas com sacola na mão, já estão pensando nos presentes de Natal.

Repórter Beatriz Amiden: O índice de confiança do consumidor, pesquisado pela Fundação Getúlio Vargas, atingiu maior nível desde dezembro de 2014. O indicador subiu pelo quinto mês consecutivo e atingiu a marca de 82,4 em outubro. Se comparado ao mesmo período do ano passado, a alta foi de 15,8 pontos. Para o professor de administração pública da Universidade de Brasília, José Matias Pereira, as medidas do governo nessa área, como a PEC dos gastos, aprovada essa semana pelo Congresso Nacional, ajudam na retomada da confiança na economia.

Professor - José Matias Pereira: Quanto maior segurança você tiver dentro do país, acaba sendo benéfico pra todas as áreas, seja para o setor privado, seja para o setor público e para as pessoas, para as famílias, porque você vai criando um cenário favorável que leva de uma maneira bastante positiva ao crescimento da economia, a maiores investimentos, maior criação de empregos, recolhimento de tributos, assim por diante. Aquilo que nós chamamos de um cenário favorável onde todos ganham ao mesmo tempo.

Repórter Beatriz Amiden: E com as vendas em alta, o Natal do vendedor Getúlio da Silva, de Brasília, promete ser mais gordo.

Vendedor - Getúlio da Silva: Desses últimos dois meses agora deu uma reagida, referente ao ano passado está melhor, sim. A comissão dá uma aumentada, né, e o salário fica mais gordinho pra gente levar pra casa.

Repórter Beatriz Amiden: A pesquisa da FGV foi feita em 2.045 domicílios, entre os dias 1 e 22 de outubro. Reportagem, Beatriz Amiden.

Helen: E o governo divulgou um balanço sobre a economia nos gastos nesse ano.

Luciano: De acordo com o Ministério do Planejamento, de janeiro a setembro, as ações do governo para reduzir despesas resultaram numa economia de mais de R$ 2,2 bilhões. O repórter Nei Pereira tem mais detalhes ao vivo. Boa noite, Nei.

Repórter Nei Pereira (ao vivo): Boa noite, Luciano e ouvintes da Voz do Brasil. A maior redução foi registrada nos gastos com material de consumo, queda de mais de 27%. Também houve economia de mais de 20% nos gastos com comunicação e processamento de dados. E de 14,5% em aluguel e conservação de imóveis. Energia elétrica, água, diária e passagens tiveram reduções menores, mas também contribuíram na economia de dinheiro. Segundo o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Diogo Oliveira, as ações do governo para enxugar gastos vão continuar.

Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão - Diogo Oliveira: Nós continuamos desenvolvendo uma série de produtos para auxiliar os órgãos na redução dessas despesas, criando novos modelos de contratação. Estamos agora desenvolvendo toda uma família de modelos de contratação para esses serviços de apoio, né, serviços de segurança, de limpeza, de secretariado e outros produtos.

Repórter Nei Pereira (ao vivo): O ministro destacou também a economia com a revisão de benefícios do auxílio-doença, pago pelo INSS. Segundo Diogo de Oliveira, cerca de 10 mil benefícios já foram revisados. Desse total, 8 mil foram cortados, porque a pessoa não apresentou incapacidade para o trabalho. A expectativa do governo é que com a revisão os gastos com o auxílio-doença caiam de cerca de R$ 13 bilhões para até R$ 7 bilhões. Helen.

Helen: Obrigada, Nei, pelas informações ao vivo aqui com a gente na Voz do Brasil.

"Momento Social"

Luciano: O programa Criança Feliz foi lançado pelo governo neste mês e vai acompanhar o desenvolvimento de crianças nos primeiros mil dias de vida.

Helen: Profissionais treinados vão fazer visitas às casas de quem recebe o Bolsa Família, para ensinar aos pais a maneira correta de estimular os filhos.

Luciano: É, isso porque pesquisas mostram que crianças bem cuidadas na primeira infância têm mais chances de um futuro melhor.

Helen: E é exatamente essa a dúvida do nosso momento social de hoje. A Raina, que mora em São Luís do Maranhão, é mãe de três filhos com idades entre seis meses e seis anos e ela quer saber o que o Bolsa Família tem a ver com o Criança Feliz. O ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, responde a pergunta.

Ouvinte - Raina Felícia: Olá, ministro. Eu me chamo Raina Felícia, moro aqui em São Luís do Maranhão. Gostaria de saber qual é a diferença entre o Bolsa Família e o Criança Feliz. Gostaria de saber mais sobre os detalhes.

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: O Bolsa Família é um programa que repassa recurso para as famílias que mais precisam, famílias que estão numa situação de pobreza, para elas poderem colocar comida na mesa, ajudar a botar comida na mesa. Esse programa continua, o presidente Michel Temer valorizou esse programa dando um aumento de 12,5% esse ano. Então, houve um empenho muito grande de reforçar o programa, manter o programa. O Criança Feliz é um outro programa, que se acopla no Bolsa Família, porque vai trabalhar com as crianças do Bolsa Família. O que é o Criança Feliz? É um programa de estimulação das crianças pequenas. Proporcionar às famílias uma ajuda pra estimular seus filhos nas suas habilidades, na sua inteligência, nas suas diversas formas de competências, habilidades. No futuro, a gente quer que todas as crianças brasileiras tenham acesso a esse tipo de acompanhamento, de estímulo. Mas no início nós vamos começar pelas famílias que mais precisam, as mais vulneráveis, que são as do Bolsa Família.

Luciano: E você também tem dúvida sobre ações e programas sociais do governo? Manda sua pergunta pra gente.

Helen: O nosso e-mail é voz@ebc.com.br, e twitter.com/avozdobrasil.

Luciano: Tem também o nosso Facebook: facebook.com/bolsafamilia. A sua pergunta vai ser respondida pelo ministro, aqui na Voz do Brasil, sempre na quinta-feira. Participe.

Helen: A vacina contra a Dengue está cada vez mais perto de se tornar realidade no país.

Luciano: O Instituto Butantã, em São Paulo, deve finalizar os testes em humanos até o primeiro semestre do ano que vem, e prepara a estrutura que vai produzir 60 milhões de doses por ano.

Helen: E sobre este assunto a gente conversa ao vivo aqui, com o repórter Rafael Gasparotto, no estúdio. Boa noite, Rafael. Conta pra gente: neste momento a vacina está em que fase de testes?

Repórter Rafael Gasparotto (ao vivo): Boa noite, Helen, boa noite a todos. É isso mesmo, o Instituto Butantã está desenvolvendo uma vacina contra os quatro tipos de vírus da Dengue. As pesquisas estão na última fase de testes em humanos, avaliando 17 mil voluntários de 13 cidades de todas as regiões brasileiras. O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, visitou o instituto hoje e destacou o avanço da pesquisa científica no país.

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - Gilberto Kassab: Um estudo dessa magnitude, com resultados dessa importância, servem em primeiro lugar pra aumentar a autonomia do país no campo científico. Isso é muito importante, chega a ser considerado uma questão de soberania nacional. Pode até ter resultados econômicos para o país.

Repórter Rafael Gasparotto (ao vivo): O ministro Gilberto Kassab conheceu as obras da unidade de produção de vacina da Dengue. A previsão é que o novo laboratório fique pronto até dezembro e produza mais de 60 milhões de doses por ano. O ministro ressaltou os benefícios para a população.

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - Gilberto Kassab: É uma epidemia, que deixa de acontecer, que poderia acontecer, né? E que, a partir de agora, estará sob controle, quando o resultado dos trabalhos estiverem sendo implantados, e essas doses sendo distribuídas por todo o território nacional. Não faltarão recursos que forem compensados pelo governo, e eles estão na ordem de R$ 300 milhões, R$ 100 milhões do BNDES, R$ 100 milhões da Finep e R$ 100 milhões que serão fruto de financiamento com recursos vinculados.

Repórter Rafael Gasparotto (ao vivo): Os testes serão concluídos no primeiro semestre do ano que vem e a expectativa é que a vacina esteja disponível à população em dezembro de 2017, no início do verão. Helen.

Helen: Obrigada pelas informações, ao vivo aqui com a gente Rafael Gasparotto. Boa noite.

Luciano: A taxa de desocupação ficou em 11,8% no trimestre de julho a setembro. Em relação ao trimestre anterior, de abril a junho, houve aumento de 0,5% na proporção de desocupados.

Helen: Isso significa que, atualmente, o número de desocupados no Brasil chega a 12 milhões de pessoas, segundo dados divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE.

Luciano: O salário real pago ao trabalhador subiu quase 1% e foi de pouco mais de R$ 2 mil, no período de julho a setembro.

Helen: Os chefes dos três poderes da República vão se reunir para tratar de segurança pública no país.

Luciano: O presidente Michel Temer falou sobre esse encontro hoje. O repórter Paulo La Salvia acompanhou e traz os detalhes ao vivo. Boa noite, Paulo. Quem vai participar e como vai ser essa reunião?

Repórter Paulo La Salvia (ao vivo): Boa noite, Luciano, Helen, ouvintes da Voz do Brasil. Além do presidente, participam o presidente do Senado, Renan Calheiros, o da Câmara, Rodrigo Maia, e a presidente do Supremo Tribunal Federal, Carmen Lúcia, ministros e o diretor geral da Polícia Federal. Michel Temer disse que é uma primeira reunião que vai servir para ser traçado um panorama da segurança pública no país e, a partir disso, propor soluções para a área.

Presidente Michel Temer: Eu acho que será um momento significativo, porque é exatamente a reunião dos três poderes do Estado e de outros órgãos, que vão pensar juntos como resolver a segurança pública do país. Desde já, eu digo que não é exatamente uma tarefa da União Federal, não é? A União Federal tem uma parcela da segurança pública, relativa às competências da Polícia Federal. A segurança pública é questão dos estados. Mas é um tema, sem dúvida alguma, angustiante para todo o povo brasileiro, daí porque nós todos temos que colaborar.

Helen: Paulo, o presidente Temer também falou sobre a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, de suspender a operação que apura uma suposta tentativa de policiais do Senado de obstruir as investigações de parlamentares, na operação Lava Jato. Qual foi a opinião do presidente Temer sobre esse assunto, hein?

Repórter Paulo La Salvia (ao vivo): Olha, Helen. Deflagrada pela Polícia Federal na sexta-feira da semana passada a operação Métis confiscou equipamentos, computadores e documentos no Senado, além de prender policiais legislativos, que implantaram sistemas de varreduras para buscar grampos contra senadores acusados de participar dos desvios apurados na Operação Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção na Petrobras. Teori Zavascki tomou a decisão porque a Operação Métis foi autorizada por um juiz de primeira instância e não pelo STF, como determina a Constituição. O presidente Michel Temer disse que, em termos processuais, a decisão foi correta.

Presidente Michel Temer: Processualmente, foi uma medida correta. Você tem, no judiciário, você tem instâncias. Você tem uma instância que decide de uma maneira, você recorre, a instância superior verifica se mantém a decisão ou não mantém a decisão. O ministro Teori resolveu modificar a decisão do juízo de primeiro grau, né? É isso que nós temos que prestar atenção.

Repórter Paulo La Salvia (ao vivo): As declarações foram feitas pelo presidente Michel Temer depois de receber, aqui no Palácio do Planalto, as cartas credenciais de onze embaixadores que vão representar os seus países no Brasil. Neste momento, o presidente entrega a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul a juristas estrangeiros que prestaram importantes serviços ao país. Ao vivo, Paulo La Salvia.

Luciano: Sete e 21, no horário brasileiro de verão.

Helen: Termina na próxima segunda-feira o prazo para aderir ao regime especial da Receita, que regulariza recursos não declarados no exterior. A chamada repatriação.

Luciano: Até as 5h da tarde de hoje, mais de 21 mil solicitações já haviam sido recebidas pelo portal da Receita, totalizando R$ 152 bilhões em ativos regularizados e outros R$ 45 bilhões de impostos e multas recolhidos.

Helen: O contribuinte, pessoa física ou jurídica, que tiver interesse na regularização, deve acessar a página da Receita Federal na internet, receita.fazenda.gov.br.

Luciano: E atenção ouvintes da Voz do Brasil.

Helen: Na próxima segunda-feira, dia 31 de outubro, vamos estrear uma nova Voz do Brasil do governo federal.

Repórter: Segunda-feira, dia 31, você, cidadão, vai ouvir aí na sua cidade uma nova Voz do Brasil. Mais dinâmica, com mais serviços, orientações sobre seus direitos e respostas às suas dúvidas.

Repórter: Vamos falar sobre as ações do governo federal, mostrando o passo a passo de como conquistar seus direitos.

Repórter: Tudo numa nova linguagem, com mais interação e novos quadros, com serviços e oportunidades.

Repórter: Você, ouvinte de todo o país, vai poder participar da Voz do Brasil, ligando antes para nossa equipe, contando seu problema. Não esqueça, na próxima segunda-feira, no mesmo horário, 19h.

Luciano: De 1 a 30 de novembro, a maioria dos estados brasileiros vai realizar a segunda etapa da vacinação contra a febre aftosa.

Helen: a expectativa é de que sejam vacinados 150 milhões de animais até o final dessa fase. Em 14 estados, todo o rebanho bovino e bubalino deve ser imunizado.

Luciano: Já em 8 estados e no Distrito Federal, a aplicação é obrigatória apenas para os animais com até 24 meses de idade.

Helen: O criador deve ficar atento, ele precisa, por exemplo, pegar a nota fiscal da vacina com o fornecedor do produto e apresentá-la ao serviço veterinário do município.

Luciano: Além disso, o pecuarista deve ter cuidado com o transporte e armazenamento da vacina.

Helen: Você ouviu hoje na Voz do Brasil.

Luciano: Crescer sem medo. Presidente Michel Temer assina lei para beneficiar micro e pequenos empresários de todo o país.

Helen: Lei amplia prazo para pagamento de dívidas e aumenta teto do Simples Nacional.

Luciano: Governo federal, Congresso e Judiciário se reúnem amanhã para tratar de ações de segurança pública. Temer defende harmonia entre os três poderes.

Helen: Pesquisa para produção da vacina contra a Dengue está a todo vapor. A Voz do Brasil falou como e quando elas devem chegar aos postos de saúde.

Luciano: Este foi o noticiário do Poder Executivo, uma realização da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

Helen: Produção, EBC Serviços.

Luciano: Siga a Voz do Brasil no Twitter: twitter.com/avozodobrasil.

Helen: Quer saber mais sobre o Governo Federal? Então assista a TV NBR e acesse www.brasil.gov.br. Boa noite.

Luciano: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite e até amanhã.